Blog - Fique por dentro

A comunidade sendo informada

Focar no brasileiro ou abrir o leque?

O que vale mais a pena para quem tem ou quer abrir um negócio na Florida

por Cynthia Magnani

 

O mais novo serviço que vem sendo oferecido gratuitamente pelo CCB é a consultoria para micro e pequenos empresários que queiram empreender na Flórida. A consultoria é oferecida pelo Departamento de Empreendedorismo do Conselho de Cidadãos da Flórida, por meio dos consultores Carlo Barbieri e Francisco Ruiz, que dão dicas sobre como abrir um negócio com mais segurança ou inovar e fazer negócios já existentes crescerem.

Em entrevista exclusiva para o CCB, Carlo Barbieri, que é CEO do Oxford Group, maior empresa de consultoria brasileira nos Estados Unidos, fala sobre o fato de alguns empresários brasileiros focarem suas atividades exclusivamente no público brasileiro e analisa se isso é realmente interessante.

CCB: Existem, na Flórida, empresas criadas por não-brasileiros voltadas para o público brasileiro? Se sim, quais interesses estes empresários viram neste público?

CB: O público brasileiro tem uma importância significativa para muitos negócios. Em geral, as empresas não brasileiras buscam agências especializadas neste público para fazerem a propaganda.

Empresas de TV por assinatura, de aviação, de remessas e outras tantas veem neste mercado de cerca de 350.000 pessoas só na Florida e cerca de 1.5 milhão nos EUA, um nicho bem importante.

CCB: Qual é o perfil da maior parte do consumidor brasileiro na Flórida?

CB: Este perfil é muito diversificado e está mudando muito ultimamente, com a entrada de novos imigrantes de alto poder aquisitivo.

CCB: Qual é o tipo de negócio mais comum gerido por brasileiros na Flórida?

CB: São negócios com um investimento menor, em geral restaurantes, lojas, limpeza de piscinas, limpeza de casas e escritórios e serviços correlatos. Os brasileiros que possuem um pouco mais de recursos, geralmente trazem uma extensão de suas empresas do Brasil.

CCB: Qual nicho teria grande demanda mas ainda apresenta pouca oferta?

CB: Na verdade, há pouco que se descobrir em termos de “pouca oferta”. O que há é  a necessidade de inovações, com a criatividade e esforço dos brasileiros em atividades já existentes.

CCB: Para finalizar, em resumo, é interessante investir em negócios voltados para o público brasileiro na Flórida?

CB: Para quem está entrando no mercado, sim, mas se pensarmos que a Florida tem mais de 20 milhões de habitantes e apenas 350.000 brasileiros, vemos que este é um mercado muito pequeno para um grande esforço.